História | Freguesia de Caxarias

História

Caxarias é uma freguesia do concelho de Ourém, de cuja sede dista cerca de dez quilómetros. Apresenta uma área de, aproximadamente, 20,42 quilómetros quadrados, que compreende os lugares de Abadia, Andrés, Balancho, Barreira,  Casais da Abadia, Castelo, Caxarias, Faletia, Pisão do Oleiro, Pisões,  Ribeira  e parte de Águas Formosas. Tem por vizinhas as freguesias de Urqueira, Casal dos Bernardos, Rio de Couros, Seiça e Olival.

Povoação antiga, Caxarias surge já mencionada num documento de 1478, sob a forma de “Aldeia de Cacheyrias”. Este mesmo escrito faz também referência a um mosteiro que aqui terá existido. Tratava-se da Abadia dos Tomaréis, à qual D. Afonso Henriques entregou carta de couto em Março de 1172, mas que acabou por ser extinta em meados do século XVI.

Segundo estudos etimológicos, o topónimo “Caxarias” é um derivado de “Caxaria”, que por sua vez provém do português arcaico, significando “terreno onde há carvalhos”.

A sede desta freguesia é uma povoação antiga, já referida como Aldeia de Cacheyrias num documento de 1478 no qual Branca Afonso era condenado a perder alguns bens por os ter aforado sem licença do mosteiro.

Este cenóbio que aqui existiu era a Abadia dos Tomaréis à qual D. Afonso Henriques passou carta de couto em Março de 1172, presumindo-se que a fundação da igreja date do ano anterior. A abadia sofreu vicissitudes várias como expulsões de cónegos, abusos reais e decadência, vindo a ser extinta em 1555.

A feira multicentenária de S. Bartolomeu desde remotas eras que se realizava junto à quinta dos Tomaréis e já em 1380 se decidiu junto ao Castelo de Ourém quem tinha o direito de “cobrar portagem” sobre os produtos comercializados na feira, que, como hoje, se realizava anualmente, em terras da actual freguesia de Caxarias.

O orago da freguesia de Caxarias é Nossa Senhora de Fátima, em honra da qual é realizada uma festividade anual.

A Freguesia de Caxarias desenvolveu algumas Indústrias especialmente Metalomecânicas e Transformação de Madeiras, as quais passariam a ser a grande força económica local. Tem também uma componente comercial e serviços, completando com a agricultura que como na grande maioria das Freguesias do Concelho continua a ser a base económica da região.

Comments are closed.